sexta-feira, 18 de maio de 2012

Estudo de Caso e Montagem de Plano de Ação do AEE


Roteiro ANUAL apresentado pelo MEC para :Estudo,diagnóstico, acompanhamento, avaliação, planejamento,execução de atividades com ALUNOS ANEES ATENDIDOS NA SALA MULTIFUNCIONAIS



 ANEXO I - ETAPAS DE UM ESTUDO DE CASO
Neste anexo, apresentamos as etapas de um estudo de um caso, partindo da Proposição do Caso à elaboração do Plano de AEE.
Para realizar esse estudo e elaborar o Plano de AEE desse aluno, o professor do AEE. Segue as etapas:

Etapa 1: Proposição do caso (ver anexo II - Roteiro para Proposição do caso)
O professor do AEE:

Ouve as razões que motivaram o encaminhamento do aluno para o Atendimento Educacional Especializado;

Anota a queixa trazida pelo professor do aluno, pelo próprio aluno e pela família;
Faz observação na sala de aula do aluno para avaliar sua interação com os colegas,  com a professora e com a demanda pedagógica em sala de aula, além da organização e gestão da classe pela professora de sala de aula.

Observa o aluno nos demais espaços da escola, recreio, biblioteca, refeitório e outros.

Realiza entrevista com a professora do aluno e com a família.
Faz avaliação do aluno na Sala de Recurso Multifuncionais.

Etapa 2: Análise e clarificação do problema

Nesta etapa, o professor do AEE deve identificar:

O tipo do problema: cognitivo, de linguagem; de contexto (ambiente escolar,familiar e cultural); de saúde e desenvolvimento físico; afetivo; social; de aprendizagem.

A origem do problema: se é da escola; da sala de aula comum; da relação com o professor; relacionado à família; de material pedagógico; de aprendizagem; de afetividade e sociabilidade; de cognição; de comunicação; de locomoção, outros.
O professor se pergunta, ainda, quem são as pessoas envolvidas no problema.

Para responder a estas questões, é necessário fazer relações entre as informações coletadas sobre as características do aluno e do seu meio e da relação entre os dois, apoiando-se sobre diferentes aspectos, destacando os pontos fortes e as dificuldades referentes a:
-  desenvolvimento e funcionamento cognitivo;
- linguagem;
-  ambiente: escolar (colegas e professores, ambiente na turma, gestão da classe, abordagens pedagógicas, avaliação das aprendizagens);
- familiar ( características da família e do ambiente social);
- aprendizagens escolares;
- estilos e ritmos de aprendizagem;
-desenvolvimento afetivo-social e interações sociais;
- comportamentos e atitudes do aluno em situação de aprendizagem (centrado na tarefa, respeito pela tarefa); desenvolvimento psicomotor e saúde.

As observações em sala de aula, as trocas com o aluno, com o professor responsável pela sala, entrevista com os pais e avaliação do aluno na sala de recursos multifuncionais são relacionadas entre si, para que o professor compreenda melhor as causas do problema do aluno, no âmbito do AEE.

Nesta etapa, o professor do AEE pode necessitar de fazer pesquisa bibliográfica para enriquecer seus conhecimentos sobre a problemática do aluno.


Etapa 3: Estudo e identificação do problema
Nesta etapa, o professor já é capaz de identificar o tipo e a natureza do problema, a partir das informações obtidas com o aluno, por meio de avaliação efetuada na Sala de Recursos Multifuncionais e no meio escolar e familiar na etapa1.  Ele analisa o conjunto dos dados e as relações entre eles, estabelecidas na etapa 2. O professor estuda o que provoca a situação problemática vivida por seu aluno. Nesse momento, o professor formula suas hipóteses sobre a natureza do problema. Se a situação for complexa a ponto de dificultar a elaboração de uma hipótese explicativa satisfatória, então o professor deve aprofundar sua pesquisa em busca de elementos que possam esclarecer melhor a situação-problema do aluno. Esta busca de informação poderá requerer uma avaliação mais precisa em diferentes aspectos.

O professor avalia se os conhecimentos de que dispõe são suficientes para entender o problema e propõe uma hipótese para solucionar o problema. Em caso afirmativo, ele deve escrever suas conclusões sobre os fatores que podem provocar os comportamentos que impedem o desenvolvimento de uma aprendizagem de qualidade.

O professor deve indicar os aspectos que considera positivos no aluno ou em seu ambiente, os quais podem favorecer a aprendizagem e a interação dele na classe.

Etapa 4: Solução do problema

Após a construção de uma hipótese explicativa, o professor inicia o processo de solução do problema. O professor questiona: que recursos humanos e materiais são necessários para atender ao problema? Onde encontrá-los? Eles estão disponíveis na sua comunidade? Quais os parceiros e colaboradores que podem contribuir? Onde encontrá -los?
Que potencialidades do aluno e do seu meio social e familiar podem ajudar na solução do problema?
Nesta etapa, o professor do AEE levanta possibilidades que podem facilitar a elaboração e enriquecer o seu plano de Atendimento Educacional Especializado.


Etapa 5: Elaboração do plano de AEE (ver anexo III - Roteiro para plano de Atendimento Educacional Especializado)
Para elaboração do plano de Atendimento Educacional Especializado o professor deve definir com clareza os objetivos a serem alcançados tanto na sala de recursos multifuncionais quanto na sala de aula.Ele propõe ações em parceria com o professor da sala de aula e planeja atividades a serem desenvolvidas na sala de recursos multifuncionais. Além disso, ele estabelece o período para o desenvolvimento do plano e os resultados esperados.

Após a elaboração do Plano de AEE, o professor avalia se este é coerente com a solução proposta para o problema, se é exeqüível na sua realidade e se os conhecimentos aprendidos foram suficientes para a sua elaboração. O professordeve, periodicamente, reavaliar o Plano de AEE, verificando se ele está surtindo os efeitos esperados e se precisa de ajustamentos.



ANEXO II - ROTEIRO PARA PROPOSIÇÃO DE UM CASO
As questões abaixo têm por objetivo orientar o professor do Atendimento Educacional Especializado - AEE para propor um caso. Trata-se de um roteiro e, portanto, o professor irá utilizá-lo sem a preocupação de responder pontualmente às perguntas e nem mesmo limitar-se a elas.

A proposição do caso não deverá abordar apenas a queixa da professora e o tipo de deficiência do aluno, ou dados clínicos a seu respeito. Ele deverá conhecer e descrever o contexto educacional ao qual está inserido o aluno, abordando suas dificuldades, habilidades, desejos, preferências, entre outras questões relacionadas ao seu cotidiano escolar. A coleta de dados para a descrição do caso pode ser feita por meio de observações diretas, entrevistas, gravações, avaliação escrita, análise de documentos, pareceres pedagógicos e clínicos, entre outros.

Esse material também é importante para a 2ª. Etapa do estudo de caso: análise e clarificação do problema. O roteiro não deve ser respondido como um questionário. 

A - Informações referentes ao aluno: idade, série, escolaridade, tipo de deficiência, outros.
B - Informações coletados do/sobre o aluno:

O aluno gosta da escola?
Tem amigos?
Tem um colega predileto?
Quais as atividades que ele gosta mais de fazer?
Para ele, que tarefas são mais difíceis? Por quê?
O aluno é capaz de expressar suas necessidades, desejos e interesses? De que maneira?
O aluno costuma pedir ajuda aos professores? Por quê? Qual é a opinião do aluno sobre seus professores?
Por que ele acha importante vir à escola e estudar nela?
Está satisfeito com os apoios (material pedagógico especializado, equipamentos, informática acessível, intérprete, outros atendimentos) que dispõe no momento?
Desejaria ter outros? Quais?
C - Informações coletadas da/sobre a escola:
O aluno participa de todas as atividades e interage em todos os espaços da escola?
Como? Se não participa, por quê?
Das atividades propostas para a turma, quais ele realiza com facilidade e quais ele não realiza ou realiza com dificuldades? Por quê?
Como é a participação do aluno nas atividades propostas à sua turma?
Participa das atividades integralmente, parcialmente ou não participa?
Quais são as necessidades específicas do aluno, decorrentes da deficiência?
Quais são as barreiras impostas pelo ambiente escolar?
Que tipo de atendimento educacional e/ou clínico o aluno já recebe e quais são os profissionais envolvidos?
O que os professores pensam sobre interesses e expectativas do aluno em relação à sua formação escolar?
Como é esse aluno do ponto de vista social, afetivo, cognitivo, motor, familiar e outros?
Qual a avaliação que o professor de sala de aula faz sobre o desempenho escolar desse aluno?
Quais as preocupações apontadas pelo professor de sala de aula e quais os apoios que ele sugere para que o aluno atinja os objetivos educacionais traçados para sua turma?
Como a comunidade escolar percebe a interação do aluno com seus colegas de turma?
Quais as expectativas escolares do professor em relação a esse aluno?
Quais são as principais habilidades e potencialidades do aluno, segundo os professores?
Qual é o motivo que levou o professor de sala de aula solicitar os serviços do AEE para esse aluno?
A escola dispõe de recursos de acessibilidade para o aluno, tais como: mobiliário, materiais pedagógicos, informática acessível, outros?
Quais os recursos humanos e materiais de que a escola não dispõe e que são necessários para esse aluno?
Quem avaliou os recursos utilizados por esse aluno? Eles atendem às suas necessidades?
Como é o envolvimento afetivo, social da turma com o aluno?
Qual é a opinião da escola (equipe pedagógica, diretor, professores, colegas de turma) sobre seu desenvolvimento escolar?

D. Informações coletadas da/sobre a família:
Qual é a opinião da família sobre a vida escolar do aluno?
A família se envolve com a escola? Participa de reuniões, de comemorações entre outras atividades da escola?
Tem consciência dos direitos de seu filho à educação inclusiva? Exige a garantia de seus direitos?
A família identifica habilidades, necessidades e dificuldades na vida pessoal e escolar do aluno? Quais?
Quais as expectativas da família com relação ao desenvolvimento e escolarização de seu filho?

Um comentário: